Ciências Humanas e Comunicação

A Condição Feminina em Sociedade

Uma Releitura de A Letra Escarlate de Nathaniel Hawthorne

Regina Cabreira

2011 — 1ª edição

Estoque esgotado

Fora de Catálogo

Sobre o Livro

ISBN: 9788580390704
Páginas: 254
Formato: 20,5x58 cm
Ano de Publicação: 2011
Peso: 0.707 kg

Conteúdo

INTRODUÇÃO

1. O "FEMININO" - DESENVOLVIMENTO MÍTICO-HISTÓRICO

2. ANÁLISE LITERÁRIA: A TRAJETÓRIA MÍTICA-HERÓICA
2.1 O Romance
2.2 Teoria do Mito: Os Ciclos de uma Trajetória

3. O CONTEÚDO SIMBÓLICO DE A LETRA ESCARLATE
3.1 A Peculiaridade Simbólica das Formas Gráficas
3.2 A Letra Escarlate: As Profundezas do Universo Feminino
3.2.1 A "Mulher Selvagem": A Manifestação do Universo Feminino
3.2.2 Hester Prynne: Exemplo da Condição Feminina "Selvagem"

4. TEORIAS DA PSICOLOGIA SOCIAL: O PROCESSO DE ESTIGMATIZAÇÃO

5. DISCUSSÃO SOBRE A HISTÓRIA DAS MULHERES: A CONDIÇÃO FEMININA ENTRE OS SÉCULOS XVII E XIX
5.1 Hester  Prynne e a Sociedade Puritana: O Emblema "Escarlate" da Luta pelo Poder

CONSIDERAÇÕES FINAIS
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Sinopse

Essa pesquisa trata principalmente sobre a necessidade que há de se valorizar o aspecto "feminino" em nossas vidas e sociedades. Da urgência que temos de questionar e refletir sobre o papel da mulher na sociedade contemporânea ocidental e sobre os vários tipos de estigmatização que ainda sofre nos meios em que vive. Primeiro apresentamos uma visão mítica-histórica, onde se resgata o conceito "feminino". Segundo, utilizamos a teoria da "jornada do herói" de Joseph Campbell, em O "Herói de Mil Faces" (2002), com ênfase na "trajetória heróica" e como esta se aplica à análise da estrutura profunda do romance. Terceiro, propomos um estudo simbólico do conteúdo do romance, onde se mostra o significado profundo dos elementos que compõem a trajetória mítica em questão. Quarto, empregamos teorias da psicologia social para discutir o fenômeno da "estigmatização".

 

Quinto, através de reflexões encontradas na História das mulheres, fazemos uma recapitulação da condição feminina nos séculos XVII, XVIII, e XIX e como esta pode ser comparada àquela da era contemporânea.

Ver maisVer menos

Depoimentos sobre o livro

Envie seu depoimento

Seja o primeiro a publicar um depoimento sobre o livro!