Quem está na escuta? Diálogos, reflexões e trocas de especialistas que dão vez e voz às crianças

Adriana Friedmann , Gabriela Romeu , Lindalva Souza

Todos os Autores

Adriana Friedmann, Gabriela Romeu, Lindalva Souza, Renata Meirelles, David Reeks, Severino Antonio , Katia Tavares

2018 — 1ª edição

Formato: E-book em PDF

Sobre o Livro

ISBN: 9788580393514
Páginas: 65
Formato: E-Book em PDF
Ano de Publicação: 2018

Conteúdo

01- Alô, Quem fala?

02 - Retrato em Positivo

03 - A Arte de Adentrar Labirintos Infantis

04 - Poética da Infância

05 - Tessitura de Vínculos em Campo

06 - Narrativas do Olhar

07 - Cartografia de uma Escuta Sensível

08 - Para Ler, Ver e Compartilhar

Sinopse

Esta publicação sinaliza caminhos, constrói pontes e abre atalhos para uma temática bastante cara nos dias de hoje: a importância em ouvir, observar e dialogar com o universo da criança. No entanto, ainda que as práticas de escuta infantil estejam cada vez mais disseminadas em esferas e ambientes distintos, no público e no privado, na cidade, na escola e em instituições diversas, é urgente ampliar o debate sobre questões que iluminam abordagens históricas, metodológicas e éticas. Quem está na escuta? reúne artigos de pesquisadores que atuam em diferentes áreas e quem abre a discussão, numa entrevista exclusiva, é Manuel Jacinto Sarmento, professor em Sociologia da Infância da Universidade do Minho, de Portugal. Ele trata da participação infantil na cidade e da representação da infância nos dias de hoje no texto intitulado Retrato em positivo. Para Sarmento, é urgente estabelecer uma relação recíproca, de fala e de escuta, entre adultos e crianças. Assim como Ariadne, a educadora e antropóloga Adriana Friedmann, idealizadora do Mapa da Infância Brasileira, aponta caminhos em A arte de adentrar labirintos infantis.Escutar as crianças, diz a pesquisadora, é como fazer uma viagem ao território da infância. No percurso pelos universos infantis, o viajante descobre diversidade de linguagens, costumes, sabores, cheiros, músicas, danças, brincadeiras, histórias e paisagens. Assim, ao escutar e descobrir o que as crianças têm a dizer, novos mundos e repertórios descortinam-se à frente do adulto. Para ouvir as crianças, no entanto, é preciso estar atento à Poética da infância. Nesse artigo, os professores e pesquisadores Severino Antônio e Katia Tavares tratam de uma educação em que as crianças possam pensar, sentir e se expressar poeticamente. Os autores defendem que as crianças, principalmente as pequenas, exercitam espontaneamente um pensamento mitopoético, em que tudo fala, assim como se transforma em tudo.

Ver maisVer menos

Depoimentos sobre o livro

Envie seu depoimento

Seja o primeiro a publicar um depoimento sobre o livro!