Sociedade, Natureza e Energia

Condições Estruturais e Superestruturais de Produção no Capitalismo Tardio

Marcelo Micke Doti

2008 — 1ª edição

Estoque esgotado

Fora de Catálogo

Sobre o Livro

ISBN: 9788561209360
Páginas: 236
Formato: 17x24 cm
Ano de Publicação: 2008
Peso: 0.461 kg

Conteúdo

1 - INTRODUÇÃO
Aspectos Históricos e Metodológicos

2 - A TEORIA QUE FUNDAMENTA A PRÁTICA
2.1. O espaço como condição natural indispensável
2.2. "Ciência da história", forças produtivas e totalidade
2.3. Materialidade e civilização

3 - GEOPOLÍTICA E ENERGIA
3.1. Uma tríade dialética
3.2. O sistema energético mundial e a geopolítica
3.3. Classes, elites e geopolítica
3.4. Conclusões

4 - A IDEOLOGIA DO CAPITAL GLOBAL
4.1. Desenvolvimento histórico do irracionalismo
4.2. Expressões ideológicas atuais
4.2.1. Conteúdo e difusão ativa da ideologia
4.2.2. Teorias contra a totalidade
4.2.3. A ideologia como mercadoria nos mass media
4.2.4. A destruição da totalidade e seus aspectos teóricos
4.2.5. A destruição da totalidade e reprodução do capital
4.2.6. Da destruição da totalidade à alternativa social
4.3. Irracionalismo e energia

5 - ESPAÇO NATURAL E SUPERAÇÃO

6 - CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS FINAIS


BIBLIOGRAFIA

Sinopse

O objetivo deste trabalho é indicar as relações entre sociedade e natureza. No entanto neste processo inevitável de produção de uma materialidade e espaço especificamente humanos (espaço antropogênico) para suprir as necessidades da espécie, instaurar-se uma totalidade de relações na sociedade, na natureza e na produção dos suprimentos de energia para manter as atividades sociais em qualquer estágio de desenvolvimento. Mais verdadeiro ainda quando se está na sociedade que mais consome as fontes de energia e de matérias-primas do planeta: o capitalismo tardio.

A partir desta articulação inicial entre sociedade, natureza e o estabelecimento de relações que só podem ser entendidas como extremamente complexas que constituem uma totalidade determinada é que se põe a questão do papel deste entendimento para o planejador energético nos níveis econômico, geopolítico e ideológico. O entendimento dentro deste patamar mais afastado da técnica direta do planejamento e mais integrado na esfera social leva à compreensão do planejador dentro dos interesses subjacentes às políticas energéticas. Eleva-se a visão da técnica para a complexidade social e o jogo de interesses econômicos que se deve enfrentar nas políticas energéticas. Para isso torna-se necessário uma articulação teórica. Esta obra é parte de um estudo mais abrangente que resultou em um trabalho muito extenso. Publicam-se aqui apenas os momentos teóricos e conceitos decisivos para que o leitor interessado na realidade social na qual vive - e não apenas o planejador ou engenheiro da energia - entenda estas relações fundamentais em nosso mundo e os rumos que o mesmo vem a tomar. Rumos nem sempre agradáveis e claros, muitas vezes permeados de aspectos sombrios e que se desdobram para o irracional da civilização que nos abriga.

Ver maisVer menos

Depoimentos sobre o livro

Envie seu depoimento

Seja o primeiro a publicar um depoimento sobre o livro!