Estratégias Reprodutivas de Peixes

Estratégias Reprodutivas de Peixes da Região Média-Baixa do Rio Paranapanema, Reservatório de Capivara 2ª edição

selo: Blucher Open Access | 2017 - 1ª edição

Sinopse

A avaliação das situações que a literatura atual apresenta com relação ao assunto da formação de reservatórios e suas  consequências à ictiofauna deram origem à preocupação
maior deste estudo, que foi investigar se apenas grupos de espécies de peixes oportunistas e com grande plasticidade reprodutiva apresentam sucesso na ocupação e estabelecimento de suas populações no reservatório de Capivara, localizado na porção média da bacia do rio
Paranapanema. O objetivo geral foi analisar as estratégias reprodutivas das espécies de peixes bem-sucedidas presentes no reservatório, para isso avaliando quatro trechos distintos
desse ambiente: um lótico, um de semilótico e dois de águas lênticas. As características das estratégias reprodutivas abordadas nesse estudo foram: as proporções entre os sexos relacionadas ao tamanho; o comprimento na primeira maturação gonadal; o período e o local de reprodução; o tamanho e o número de ovócitos; o volume relativo das gônadas e características das camadas que envolvem os ovócitos. As amostragens foram realizadas trimestralmente, de março de 2001 até fevereiro de 2004. Foram registradas 79 espécies, divididas em cinco ordens, e apenas 14 espécies foram dominantes, entre elas Apareiodon affnis, Astyanax altiparanae, Loricariichthys platymetopon, Moenkhausia intermedia, Plagioscion squamosissimus e Prochilodus lineatus. Essas 14 espécies apresentaram diferenças quanto a distribuição no reservatório e poucas foram constantes. A ictiofauna dos trechos avaliados foi predominantemente composta por espécies de pequeno e médio porte, e o agrupamento de espécies nativas e grandes no trecho lótico e no semilótico. Em geral, as diferenças sexuais observadas em relação ao comprimento estiveram associadas às estratégias reprodutivas, com a maioria das espécies apresentando as fêmeas maiores do 12 Estratégias reprodutivas de peixes
que os machos, com exceção daquelas em que os machos têm comportamento territorial e/ou defendem a prole. As espécies avaliadas iniciam a reprodução em média com 53,3% do comprimento máximo e a maioria reproduz-se nos períodos de primavera e verão, com poucas exceções, sendo que as espécies introduzidas parecem ter vantagem com a eprodução
mais precoce. 
 

Mario Luis Orsi

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Londrina (1992), mestrado em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2001) e doutorado em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2005). Atualmente é docente do curso de especialização em auditoria e gestão ambiental da UNIFIL e colaborador e orientador na pós graduação de Ciências Biológicas da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e Universidade Estadual de Londrina , biólogo da Universidade Estadual de Londrina, Membro da Sociedade Brasileira de Ictiologia, membro do Conselho Regional de Biologia 7a Região - Paraná. Tem experiência na área de Ictiologia, com ênfase em Invasões Biológicas, atuando principalmente nos seguintes temas: ecologia e biologia de peixes, genética de peixes, vertebrados e invertebrados invasores, e processos de conservação ambiental de rios e reservatórios.

Saiba mais

Sumário

Detalhes do livro

  • Tipo:  eBook
  • ISBN:  9788580391534
  • Acabamento:  Brochura
  • Total de Páginas:  116 páginas
  • Ano da Edição:  2017